© 2018 by Gabrielle Nobili 

Qual o problema em sermos nós mesmos?

May 9, 2018

 

Quem disse isso não fui eu, foi Jung. Eu realmente estou ficando fascinada pelos estudos dele. Mas enfim.. Eu fui a uma festa esses dias com amigos da época do colégio e isso me trouxe a tona várias memórias desses tempos. Eu sempre me senti deslocada, e sempre fiz de tudo para me encaixar e seguir o padrão. Se lançavam um tênis que todos usavam eu queria, se franja estava na moda eu cortava, se alguma palavra estava sendo muito dita eu começava a falar, se alguma banda estava fazendo sucesso eu ouvia, e assim por diante. Enquanto isso, uma parte de mim fazia tudo escondido. Eu lembro de brincar de barbie até os 15 anos, mas não contava para ninguém porque isso não era aceitável. Eu lembro de gostar de bandas que ninguém mais gostava e de fantasiar sobre dragões e coisas do tipo. Isso era meu eu de verdade, mas eu mesma não deixava que ele se manifestasse. Eu pensava que ninguém ia gostar de mim se eu fosse eu, então aos poucos fui me tornando apenas mais uma na multidão. A verdade é que a adolescência é uma época muito cruel, a pressão para que você siga o padrão é bem alta e é preciso ter coragem para não segui-lo. Eu não tive essa coragem, só mais velha. Depois da escola eu me afastei de todos de propósito. Eu não aguentava mais fingir ser quem eu não era. Se tornou algo muito cansativo e fazia com que eu me sentisse vazia e minha vida não tivesse sentido. Eu tive muitos episódios depressivos! Então, eu fiquei sem amigos por um tempo, me redescobrindo. E foi legal! Até hoje, 10 anos depois, eu ainda me descubro, só que agora eu tenho alguns bons amigos. As vezes me pego tentando seguir o padrão, mas eu consigo perceber isso e não entrar nessa. Em épocas de blogueiras é desafiante não seguir o que está na moda. E também não tem problema em seguir, contanto que seja algo que seja parte de você. Não recomendo que imitem blogueiras só para se sentirem pertencidos ao mundo. Vocês vão acabar se perdendo dentro de si mesmos e podem acabar desenvolvendo depressão, ansiedade e outros transtornos. Deixem que seu coração seja seu guia. Se estiverem fazendo algo só para agradar alguém ou algum grupo é melhor pararem. Reflitam se querem amigos que só gostem de vocês devido a algumas condições ou se vocês querem ser amados pelo que realmente são. A espontaneidade é a maior liberdade que existe.

 

Meu nome é Gabrielle e eu sou psicóloga ❤ Honestamente, não sei que linha eu sigo ainda e não sei quando eu vou descobrir. Está sendo legal essa jornada de descobertas e eu não tenho pressa.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Sobre ter um propósito (ou não)

June 14, 2018

1/5
Please reload

Posts Recentes

May 2, 2018

April 12, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags